• Todos por 1

Camisetas com alma sustentável


- Quem fez a roupa que você está usando?

Vinicius Fraga Faiad e seus colegas de turma, não souberam responder à pergunta na sala de aula.

O estudante londrinense, formado em Relações Públicas, cursando MBA em Marketing, nunca havia pensado nisso.

O que a camiseta dele contaria se pudesse falar? Quem produziu, em quais condições, quanto ganhou, como vive???

A maioria de nós não se preocupa com isso. Mas naquela aula o grupo conversou sobre lado negativo, e em alguns casos, perverso, da produção da moda.

A reflexão mudou Vinicius como consumidor, mas não só.

O inspirou a criar um negócio afinado com o consumo consciente.

Em 2018, surgiu a Alma, marca de camisetas masculinas feitas em algodão orgânico com pigmentação natural, confeccionadas por ex-detentos, vendidas online.

Uau!

Camisetas da marca londrinense Alma. Foto do site.


Fashion Revolution

O compartilhamento de informações sobre o impacto ambiental e os casos de absurdas condições de trabalho na fabricação de roupas estão conscientizando cada vez mais pessoas.

A onda da mudança cresce com a adesão de consumidores e empreendedores jovens, como o Vinicius.

Em 2013, o desabamento de um prédio matou 1.134 pessoas e feriu outras 2.500, em Bangladesh. A maioria das vítimas da tragédia no país asiático, era de empregados em confecções que atendiam marcas gigantes, de alcance global, e trabalhava em condições de quase escravidão.

A indignação provocada pela mortes fez surgir o Fashion Revolution.


Desabamento do Rana Plaza, na capital de Bangladesh, em 2013. Foto: Wikipédia

O movimento começou no Reino Unido e se espalhou pelo mundo. O propósito é provocar uma transformação positiva na moda.


O Fashion Revolution lançou a campanha #QuemFezMinhasRoupas? incentivando o consumidor a pensar e a questionar os fabricantes e revendedores marcas sobre os impactos socioambientais da produção.


Hoje o Fashion Revolution é uma organização mundial que trabalha pela transparência na indústria, divulgando relatórios anuais sobre as marcas presentes em vários países, inclusive no Brasil.

entidade também lidera ações e incentiva pesquisas científicas para tornar a moda mais sustentável a partir da escolha das matérias-primas; do uso da água e da energia com eficiência; da redução do uso de produtos químicos; e das garantias de segurança e renda digna para quem trabalha.



No site tem muitas informações sobre o tema e o índice de transparência das marcas para quem quiser saber mais.

https://issuu.com/fashionrevolution/docs/fashion_transparency_index_2019?e=25766662/69342298


“Se a gente está comprando uma peça por 20 reais, a gente pensa, que bom, que barato! Vou levar essa. Mas se eu estou pagando 20 reais, quanto a pessoa que fez a peça ganhou? Quanto o agricultor, que produziu o algodão para fazer o tecido, ganhou? Qual a condição de trabalho dele? Então é um movimento para a gente pensar sobre isso, sobre o impacto das nossas escolhas.”
Vinícius Fraga Faiad, fundador da Alma, marca de camisetas.

Panosocial



Para produzir as camisetas, Vinicius foi em busca de parceiros e encontrou a Panosocial, empresa de São Paulo, criada pela produtora de moda Natacha Barros e pelo designer austríaco Gerfried Gaulhofer. Uma startup que trabalha com responsabilidade social e ambiental. Qualifica e emprega ex-detentos para a confecção de roupas, uniformes e acessórios, produzidos com matérias-primas sustentáveis por meio de processos de baixo impacto.

Em 5 anos de atuação a Panosocial empregou em contratações diretas e indiretas, para trabalho fixo ou temporário, 30 pessoas que tinham cumprido pena de prisão. Num país onde a população carcerária já ultrapassou a marca de 800 mil presos (é a terceira maior do mundo), iniciativas como essa são fundamentais para a paz social.

Entre os muitos clientes da Panosocial estão Greenpeace, WWF, Yoga Método De Rose, Vedacit, Korin e Livraria Cultura.


Veja aqui um vídeo com os sócios contando a história da Panosocial.











Alma

A Alma, empresa de Londrina, também é cliente. Vinícius cria as camisetas masculinas e a Panosocial fabrica. A venda é exclusivamente online.

Vinicius conta que recebeu muito apoio da Panosocial e de professores da Universidade Estadual de Londrina para tirar o negócio do papel. Agora se empenha para conseguir um resultado que vai além do financeiro.





“Eu gostaria muito que a Alma causasse reflexão e, quem sabe, até transformação no público que vier a conhecer a marca. Eu me vejo como parte desse público alvo, homem jovem que tem preocupações sócio ambientais, mas que não sabe ao certo dos impactos que a moda gera.”
Vinicius Fraga Faiad

O empresário diz que a política da marca é ter custos enxutos e margem de lucro baixa para oferecer um preço acessível e democratizar o uso. O estilo é básico e confortável, ligado à causa do consumo consciente e natureza. Confira


E você? Quem fez a sua roupa? Comente aqui sobre consumo responsável. Compartilhe outras iniciativas da moda sustentável.




nossos endereços

ola@todospor1.com

Rua Prefeito Faria Lima, 775

Londrina, PR. Fone: (43) 3377-2888.

redes sociais

TP1_logo_rodapé_laranja_.png