• Todos por 1

Os vencedores do Hackaton da Economia Criativa em Londrina

Três das 12 equipes participantes receberam prêmios em dinheiro pelas ideias que apresentaram.

A ideia de usar um jogo para estimular a destinação correta do lixo reciclável foi a vencedora do Hackathon da Economia Criativa, promovido pelo Sebrae Londrina, neste mês. O evento desafiou os participantes a pensarem soluções tecnológicas para diversos temas relacionados às atividades criativas. Doze equipes, num total de 52 pessoas, a maioria jovens, participaram da maratona de criação que durou três dias.


Para o inglês John Howkins, autor do conceito original, Economia Criativa é basicamente transformar criatividade em resultado. Para o Sebrae os segmentos criativos podem ser alinhados de acordo com afinidades setoriais em quatro grandes áreas:


· Consumo (design, arquitetura, moda e publicidade)

· Mídias (editorial e audiovisual)

· Cultura (patrimônio e artes, música, artes cênicas e expressões culturais)

· Tecnologia (P&D, biotecnologia e TIC)




Primeiro lugar


Mariah Cordeiro é integrante do grupo vencedor do hackaton que criou o Ecoflip. Ela explica que a proposta é desenvolver uma máquina, tipo um fliperama, onde depositar material reciclável (uma latinha, por exemplo), aciona um jogo. Diversão oferecida como recompensa para quem jogar lixo no local adequado.

O resultado esperado é uma cidade mais limpa, o aumento no volume de materiais reciclados e visibilidade para desenvolvedores de jogos. O prêmio de R$5 mil mais consultorias gratuitas no Sebrae são um incentivo para que o grupo desenvolva a ideia. Além de Mariah, que é designer de interiores e estudante de arquitetura, fazem parte do grupo outros dois colegas dela da faculdade, Antonio Lollato e Iara Camargo; o professor universitário Daniel Gonçalves; e a designer Jaqueline Claudino.

“Nosso grupo se programou para participar do hackathon da Construção Civil que será realizado em outubro. Decidimos participar do desafio da Economia Criativa para ganhar experiência neste tipo de maratona. Agora, com certeza, vamos nos dedicar a desenvolver o Ecoflip! Muita coisa pode mudar ainda em relação a ideia inicial, mas o importante é que temos um ponto de partida.”
Mariah Cordeiro, integrante do grupo vencedor do hackathon

Aplicativo para o turismo local


O segundo lugar na classificação do hackathon ficou com a proposta de criar um aplicativo que aumente o interesse por roteiros históricos, culturais e gastronômicos. Com a ferramenta – batizada provisoriamente como Guinando -, os usuários poderiam obter sugestões de passeios, descontos e brindes oferecidos por comerciantes e prestadores de serviço. Um incentivo ao turismo local que tanto pode fazer pela geração de renda nas cidades. O projeto agora está nas mãos da startup formada por Isabella Daher, Carlos Eduardo dos Santos e Gabriel Henrique Tsubamoto. Eles receberam um prêmio de R$3 mil e terão sessões de mentoria com consultores do Sebrae.

“O objetivo desse projeto é beneficiar o usuário, os parceiros e a cidade de Londrina, gerando resultado econômico e social.”
Isabela Daher, participante do hackaton

Tecnologia à serviço da produção cultural


O ExperiOut, de Vitoria Morato, Maria Clara Pascuetto Perin e Isabella Maria Watanabe, ficou em terceiro lugar. O grupo pretende criar um aplicativo para incentivar a participação do público nos eventos culturais de Londrina. Com a ajuda de filtros o usuário poderia conferir facilmente todas as informações sobre a agenda cultural da cidade. Descobrir detalhes sobre a experiência oferecida, preços e disponibilidade de lugares. Cada compra de ingresso garantiria pontos para ganhar descontos ou brindes. Seria possível ainda montar um calendário personalizado de eventos e compartilhar nas redes sociais. A proposta foi premiada com R$2 mil e consultoria gratuita do Sebrae.


Londrina inspira


O Soul Pé Vermelho recebeu menção honrosa pela ideia de desenvolver uma marca de souvenires inspirada na história e na cultura londrinense. Os integrantes do grupo apaixonado pela cidade são Felipe Lopes, Victor Cezario, João Miguel e Samuel Mendes.


A consultora do Sebrae, Liciana Pedroso, disse que está satisfeita com o resultado do hackaton. Desde 2018 ela tem coordenado várias ações para impulsionar a economia criativa em Londrina.

“Temos ativos importantíssimos em Londrina no Turismo, na Cultura, no Audiovisual, Designer e tantos outros segmentos criativos. Acreditamos que é preciso fazer as conexões necessárias para que a Economia Criativa se desenvolva na nossa cidade. Pretendemos contribuir para a evolução das ideias que surgiram no hackathon. As equipes que tiveram a melhor classificação, além das mentorias, vão passar por um processo de aceleração.”
Liciana Pedroso, consultora do Sebrae em Londrina.

O próximo hackathon em Londrina será o Construtech, nos dias 18, 19 e 20 de outubro. Confira o regulamento aqui.


Por Isabela Buriola

Fotos: Sebrae



nossos endereços

ola@todospor1.com

Rua Prefeito Faria Lima, 775

Londrina, PR. Fone: (43) 3377-2888.

redes sociais

TP1_logo_rodapé_laranja_.png